A juventude não foi feita para o prazer, mas sim para o heroísmo!

Vamos lutar pela Vida desde a fecundação até a morte natural!

Não se esqueça! A força do Mal está na fraqueza do Bem! Então vamos defender o Direito à VIDA desde a fecundação(nascituro) até a morte natural! Meus caros eleitores paulista precisamos de 300 mil assinaturas, para que estas petições sejam levadas ao Poder Público do Estado de São Paulo para que se assegure o Direito à Vida. Acesse e assine a petição: www.saopaulopelavida.com.br agora mesmo! Hoje o Estado de São Paulo! Amanhã o Brasil! Por que não depois de amanhã o mundo!?

sexta-feira, 18 de junho de 2010



Vamos abraçar esta luta contra a Cultura da Morte, sem fronteiras !


A Ação Jovem pela Terra de Santa Cruz, apoia esta mobilização em defesa da Vida, desta vez é do outro lado do mundo que se ouve os gritos dos inocentes!


Convido você também, a participar desta reação, mandado seu protesto aos parlamentares de Luxemburgo.


Acesse o site em português= http://www.sosvita.org/?lang=pt-pt e dê, Não ao Aborto !


Um dever Moral e de todo Homem nascido ! Eles fariam isto por nos, também !

quinta-feira, 10 de junho de 2010

Acampamento no dia 04 a 06 de Junho de 2010, Corpus Christi

“A Cavalaria não morreu!”


O caro leitor poderá ficar um pouco apreensivo ao ler esta exclamação tão inusitada hoje em dia. Por se tratar de algo que reporta para um passado longínquo e que a primeira coisa que se pensa é um conjunto de cavaleiros montados a cavalo com suas armaduras e armas pronto para lutar, na qual sofreu uma investida mas não morreram!

Não digo desse aspecto caro leitor, mas da mais alta expressão que circunda a palavra Cavalaria, quer dizer o espírito de Cavalaria. “Uma forma de beleza chamada heroísmo” como dizia o Prof. Plínio Correa de Oliveira. A Santa Madre Igreja guiada pelo Espírito Santo transformou aqueles bárbaros e de modo especial a juventude em verdadeiros templo do Espírito Santo. Seus hábitos bárbaros e pecaminosos passaram a ser os seus grandes inimigos, travando sobre si umas das mais penosas e triunfantes lutas que o homem pode travar!

Diante do neo-barbarismo que a juventude se encontra hoje é de se preocupar que futuro os terá? Já não mas paira sobre eles a honra, a dignidade, o pudor, a justiça, a caridade, a cortesia e o heroísmo, algo que dimana do espírito de Cavalaria. Para revigorar este espírito na juventude este foi o leitmotiv deste acampamento.



Aproveitando o feriado de Corpus Christi, bem como a sua emenda, nos dias 04 a 06 de junho último a Ação Jovem pela Terra de Santa Cruz promoveu o seu 7º Acampamento em prol da Juventude, desta vez ele ocorreu em uma chácara na proximidade da cidade de Itapecerica da Serra - SP.

Nesta programação contou com a presença de 13 participantes provindos das cidades de São Paulo, Itu (SP) e Curitiba (PR). Foram três dias de estudos de temas históricos, religiosos e culturais e também de lazer, numa atmosfera de bom convívio, tudo que uma juventude precisa para uma boa formação.



As exposições tiveram como tema a guerra das influências (tanto boa como má), o Cerco de Czestochowa, a resistência do Forte Saint’Elme e o papel da Devoção a Nossa Senhora do Bom Conselho. Constou também de projeções sobre o prisma da “Revolução nas Tendências” *, e de modo especial na indumentária e na arquitetura moderna, mostrando o choque de Civilizações e de mentalidades.




Foi também palco de uma sketch, onde um cavaleiro cujo “nome” era Godofredo Bouillon conclamou aqueles jovens a seguir seu exemplo de fidelidade a Nosso Senhor Jesus Cristo, um modelo de despretensão, donde não aceitou ser coroado como Rei de Jerusalém onde seu Deus foi coroado com uma coroa de espinhos.







Todas as manhãs se formavam em direção a um oratório em louvor a Nossa Senhora de Lourdes e se rezava as orações matinais e antes de todos os jantares também se rezava o terço.







As atividades de lazer foram variadas com o voleibol, jogos de mesa, xadrez, jogo do escudo e em destaque o Paint Ball, que desta vez a batalha foi travada em uma mata fechada, propiciando a ter mais criatividades no jogo.











Nas refeições se fazia uma pequena leitura para proporcionar uma boa conversa, criando uma atmosfera serena e ao mesmo tempo estusiasmante. Como não podia faltar, como de costume no nosso acampamento, o tão esperado Churrasco.




Foi possível fazer um Jantar em estilo medieval a luz de vela, tendo como destaque uma armadura “brasileiramente” confeccionada, que faria inveja a qualquer cavaleiro medieval, por suas dimensões.







As equipes denominadas “Leão Rompante” e “Águias de Lepanto” travaram uma disputa para construção da fogueira, porém como é de costume sempre chove antes de acendê-la, assim só foi possível acendê-la no outro dia, aos cantos e contos.


Estes foram dias que provaram que a “Cavalaria não morreu!”



* Plínio Corrêa de Oliveira, Revolução e Contra-Revolução, ARTPRESS, São Paulo, 1982 Parte I, Cap. V, 1ª, pág. 23.