A juventude não foi feita para o prazer, mas sim para o heroísmo!

Vamos lutar pela Vida desde a fecundação até a morte natural!

Não se esqueça! A força do Mal está na fraqueza do Bem! Então vamos defender o Direito à VIDA desde a fecundação(nascituro) até a morte natural! Meus caros eleitores paulista precisamos de 300 mil assinaturas, para que estas petições sejam levadas ao Poder Público do Estado de São Paulo para que se assegure o Direito à Vida. Acesse e assine a petição: www.saopaulopelavida.com.br agora mesmo! Hoje o Estado de São Paulo! Amanhã o Brasil! Por que não depois de amanhã o mundo!?

quarta-feira, 1 de julho de 2015

O Tratado da Verdadeira Devoção a Nossa Senhora comentários de Plinio Corrêa de Oliveira 1



São Luís Maria Grignion de Montfort
São Luís Maria Grignion de Montfort


I - Introdução


Descoberto em meados do século XIX, o“Tratado da Verdadeira Devoção à Santíssima Virgem”, de São Luís Maria Grignion de Montfort, exerceu e exerce ainda poderosa influência nos meios católicos.


Julgamos, por isso, que interessará aos que se empenham na defesa das tradições da civilização ocidental, o conhecimento desta obra. Esta a razão porque difundimos os comentários que a respeito dela fez o Prof. Plinio.

Uma vez que são inapreciáveis esses comentários referentes ao livro marial por excelência, formulamos nossos votos de que os leitores possam tirar alto benefício desse substancioso material para estudo e reflexão.

Apresentação


Estas conferências foram pronunciadas em 1951 para futuros sócios-fundadores da TFP brasileira, precisamente aqueles que se reuniam então no n° 665 da Rua Martim Francisco, em São Paulo.

Circulou, desde essa época, um fascículo mimeografado contendo a anotação dessas conferências. Sob vários aspectos, o texto que ora se publica completa em muito o contido naquele fascículo, pelas seguintes razões:

1) quase uma quarta parte da presente matéria é inédita, isto é, por motivos circunstanciais não consta do fascículo mimeografado a que aludimos acima.

2) O texto antigo não foi objeto da indispensável adaptação da linguagem falada para a escrita.

O que ora difundimos foi cuidadosamonte adaptado por uma equipe experimentada, que teve o especialíssimo cuidado de não ultrapassar, na revisão, o âmbito da tarefa que lhe foi confiada, não fazendo modificações supérfluas.

* * *

Não nos será difícil atribuir uma grande importância a esse trabalho, de alimentarmos em nós o desejo ardente de que a devoção a Nossa Senhora esteja sempre no foco mais central de nossa atenção; de que nossas almas cheguem um dia a respirar Nossa Senhora como nossos corpos respiram o ar; de que, como disse o Prof. Plinio, esta devoção seja de longe a maior de nossas virtudes, à maneira de hélice que precede o avião, arrastando-o atrás de si.

Notas

1. Os títulos aqui utilizados inteiramente com letras maiúsculas, pertencem à edição-tipo do “Tratado da verdadeira Devoção”.

2. A abreviatura “top.” refere-se aos tópicos do “Tratado da Verdadeira Devoção”. Esse sistema de números progressivos, correspondentes à sucessão das idéias, consta não só das edições em língua portuguesa, mas também da edição-tipo francesa.

3. Os “Comentários” intencionalmente não abrangem todos os tópicos do “Tratado da Verdadeira Devoção”. Muitas passagens foram analisadas de maneira geral; outras não foram comentadas ou por não apresentarem particular necessidade, ou por pertencerem ao patrimônio de conhecimentos mariológicos correntes. Pois há muitas passagens no livro de São Luis Maria Grignion de Montfort que dispensam explicações, como, por exemplo, o modo pelo qual se deve rezar a Consagração (Cap. VIII), as novenas e as orações que a devem preceder.

4. É muito conveniente, necessário mesmo, ter em mãos o “Tratado da Verdadeira Devoção a Santíssima Virgem”, para ir com ele acompanhando, pari passu, estes comentários.

Nossa Senhora, Sede da Sabedoria (Sedes Sapientiae).
Nossa Senhora, Sede da Sabedoria (Sedes Sapientiae).

Introdução


No “Tratado da Verdadeira Devoção” interessam-nos alguns aspectos principais, que convém destacar no início de nossos comentários.

Em primeiro lugar, podemos notar o aspecto estritamente teológico da obra, na qual São Luís Maria Grignion de Montfort analisa a devoção a Nossa Senhora, os meios de A honrarmos, de Lhe darmos graças pelos benefícios recebidos, etc.

Em segundo lugar, podemos destacar o papel de Nossa Senhora na luta contra o demônio e os inimigos da Igreja. São Luís Grignion adota e enriquece a idéia, já exposta por Santo Agostinho e desenvolvida posteriormente por Mons. Henri Delassus, sobre a existência de uma luta entre duas cidades - a Cidade de Deus e a cidade do demônio - como sendo o âmago de toda a História.

Em seguida apresenta o papel de Nossa Senhora na Cidade de Deus.

No que se refere ao papel da Virgem Santíssima na luta contra os agentes da Revolução, ele não fala explicitamente nem uma só vez. No entanto, toda a teologia dessa luta encontra suas raízes no livro de São Luís Grignion.

Ora, é muito importante acentuar tudo isto, por ser este livro uma garantia de que seguindo estas idéias permanecemos unidos ao espírito e à doutrina da Igreja.

Em terceiro lugar, interessa-nos a obra a título histórico. Como sabemos, São Luís Grignion viveu no tempo de Luís XIV, que, sob certos aspectos, representa um ápice da História, a partir do qual a Humanidade não fez outra coisa senão descer.

Ele faz uma descrição da sociedade do seu tempo, na qual se vêem já ferver os germens da Revolução Francesa.

Vemos então um grande santo, que foi ao mesmo tempo um grande contra-revolucionário, apontando, já naquela época, a existência da mesma Revolução que então se formava nas entranhas da sociedade francesa.

O nexo entre São Luís Grignion e a Revolução é, aliás, muito interessante. Ele foi vítima de uma oposição irredutível dos bispos jansenistas franceses.

De excomunhão em excomunhão, de suspensão de ordens em suspensão de ordens, acabou reduzido a pregar apenas em duas dioceses da França.

São Luís Grignon redigindo o Tratado St. Laurent-sur-Sèvre, França.
São Luís Grignon redigindo o Tratado
St. Laurent-sur-Sèvre, França.
Essas dioceses foram justamente aquelas em que mais tarde não penetraria a Revolução Francesa; em que o povo lutaria ao lado do clero contra os insurretos; em que os católicos marchariam de encontro às hostes revolucionárias ao cântico de hinos religiosos, que seus antepassados tinham ouvido de São Luís Grignion.

Pode-se assim delinear no mapa da França: a parte vacinada contra a Revolução foi a região por ele evangelizada; na zona dominada pelos jansenistas, que resistira à sua evangelização, a Revolução teve livre curso.

Por último, interessa-nos o “Tratado da Verdadeira Devoção” pelo aspecto profético que o santo lhe imprimiu.

São Luís Grignion é profeta no sentido restrito que esta palavra tem depois de encerrada a Revelação oficial, isto é, as suas profecias não são oficiais e obrigatórias como as da Escritura.

Mas sem dúvida ele é dotado por Deus do carisma da profecia, e isto se percebe pela leitura de seu livro.

Ele profetiza acontecimentos que fazem antever a Revolução Francesa e a crise de nossos dias, e afirma também com antecipação a imensa vitória da Igreja Católica através de uma nova era do mundo, que será uma era marial.

São Luís Maria Grignion de Montfort previu um reino de Maria que virá, e este reino será a plenitude do reino de Cristo.

Entretanto, São Luís Grignion não escreveu quatro tratados sobre estas quatro matérias, mas um só.

E os tópicos referentes a estes quatro aspectos não aparecem na ordem em que os mencionamos, mas estão dispersos pela obra. Na medida das possibilidades, explicaremos segundo estes quatro critérios cada capítulo que formos comentando.

Nenhum comentário: