A juventude não foi feita para o prazer, mas sim para o heroísmo!

Vamos lutar pela Vida desde a fecundação até a morte natural!

Não se esqueça! A força do Mal está na fraqueza do Bem! Então vamos defender o Direito à VIDA desde a fecundação(nascituro) até a morte natural! Meus caros eleitores paulista precisamos de 300 mil assinaturas, para que estas petições sejam levadas ao Poder Público do Estado de São Paulo para que se assegure o Direito à Vida. Acesse e assine a petição: www.saopaulopelavida.com.br agora mesmo! Hoje o Estado de São Paulo! Amanhã o Brasil! Por que não depois de amanhã o mundo!?

quinta-feira, 29 de setembro de 2011

Simplesmente um conto? Ou um reluzimento de verdades!?





Lições sobre ser mãe e ser filho e a relação com a Santa Igreja

A Religião é um dever

Uma senhora mundana, que, como tantas outras, quase não sabia o que é religião e a considerava como coisa convencional, queixava-se vivamente de sua filha na presença de um missionário.

- Mas, senhora, respondeu-lhe este, admite porventura que existam relações entre mãe e filha de modo que esta seja obrigada a respeitar sua mãe e a obedecer-lhe?

Como! respondeu a senhora, pois não sou eu sua mãe? Seja qual for a sua idade, não é ela minha filha? Não é de mim que recebeu tudo? Não é sempre obrigada a amar-me e a honrar-me?


Nossa Senhora foi obediente em tudo a sua mãe, Sant’Ana, por amor a Deus! Sant’Ana observou o Mandamentos e fez que sua filha também observar-se...

- Mas, tornou o missionário, estas relações de superioridade da sua parte e de dependência da parte de sua filha, não poderiam ser coisas convencionais e sujeitas a mudanças?

A mudanças? diz V. Reva.? Mas V. Reva. está a supor então que eu deixo de ser sua mãe, e que ela deixa de ser minha filha; os direitos das mães são imutáveis porque se fundam na sua natureza de mães.

– Acredita, então, senhora, acrescentou o missionário, que entre si e sua filha há relações necessárias, que tem o direito de a mandar, e ela a obrigação de obedecer-lhe, respeitá-la e amá-la; que, se ela faltar a este dever, se torna culpada; que tudo isto não é uma questão de convenção, mas uma coisa imutável e sagrada, fundada no título de mãe e na qualidade de filha; acredita isso, não é verdade?

– Sim, acredito, respondeu ela.

– Ora bem, senhora, mude os nomes; em seu lugar ponha Deus, no de sua filha, ponha-se a si mesma, e aí tem a religião.

Font: AASCJ online 25/09/2011

Nenhum comentário: